Blog

Guia do Salão do Automóvel 2018: elétricos


G1 dá giro pelo evento e ajuda você a encontrar as novidades do segmento. Chevrolet Bolt, Nissan Leaf e Renault Zoe estão entre os destaques. Guia do Salão do Automóvel 2018: elétricos
O Salão do Automóvel 2018 vai até o próximo dia 18 de novembro, no São Paulo Expo, e os visitantes podem ver muitas novidades no segmento de elétricos.
Saiba detalhes de cada um dos destaques:
Kia Soul EV
Chevrolet Bolt
Volkswagen ID Crozz
Mercedes-Benz EQC
Nissan Leaf
Renault Zoe
Hyundai Ioniq
Elétricos Chery
Veja e amplie o mapa do salão abaixo:
Mapa do Salão do Automóvel de São Paulo 2018
Divulgação
Initial plugin text

Referência

Maia defende que Câmara vote projetos da agenda econômica

Mudança vinha sendo feita gradualmente e agora inclui faturas de cartão de crédito e de doações. Boletos de qualquer valor, inclusive vencidos, podem ser pagos em qualquer banco ou correspondente bancário a partir deste sábado (10), por meio da nova plataforma de cobrança da Federação Brasileira de Bancos (Febraban). A mudança vem sendo feita gradualmente desde agosto.
Esta nova fase inclui boletos de qualquer tipo, incluindo faturas de cartão de crédito e doações, entre outros. Segundo a Febraban, cerca de 40% dos boletos desses tipos têm em comum a característica de que o valor a ser pago pode não ser exatamente o que consta no boleto.
Os clientes com boletos sem registro na plataforma e que forem rejeitados deverão procurar o emissor do boleto para quitar o débito ou solicitar seu cadastramento no sistema.
De acordo com a Febraban, a mudança impacta 4 bilhões de boletos processados anualmente em todo o País.
Rastreamento por CPF
Segundo a Febraban, além do pagamento em qualquer agência bancária, a nova plataforma permite a identificação do CPF do pagador, facilitando o rastreamento das cobranças. Se os dados do boleto coincidirem com o sistema, a operação é validada.
Se houver divergência, o pagamento do boleto não será autorizado e o consumidor poderá pagar exclusivamente no banco que emitiu a cobrança, que tem condições de fazer as checagens necessárias, diz a entidade.
No modelo anterior, nem todos os boletos são registrados em uma base centralizada. Por isso, os emissores dos boletos devem registrá-los no seu banco de relacionamento, com as informações necessárias.
Todos os boletos enviados aos consumidores devem conter necessariamente o nome e o CPF do pagador, como determina o Banco Central, além de data de vencimento e valor do pagamento e autorização do cliente para que enviem a cobrança à residência.
Vantagens
Segundo a Febraban, outro benefício da nova plataforma é uma maior transparência nos pagamentos, melhorando a gestão de recebimentos das empresas, uma vez que as condições da operação negociadas com os consumidores serão preservadas.
Além disso, o comprovante de pagamento é mais completo, apresentando todos os detalhes do boleto, (juros, multa, desconto, etc) e as informações do beneficiário e pagador.
A nova plataforma também cruza informações para evitar inconsistências de pagamento, identificação do CPF do pagador do boleto para controle de lavagem de dinheiro e mais transparência na relação com o consumidor, de acordo com a Febraban.

Referência

Toyota deverá ter Corolla híbrido flex nacional em 2020


Investimento de R$ 1 bilhão na fábrica de Indaiatuba (SP) prevê a introdução de novas tecnologias, incluindo a produção de veículos híbridos. Outros modelos ‘verdes’ estão previstos para o Brasil. Toyota Corolla Hatch no Salão de Paris, em setembro, também adiantando as linhas da nova geração do sedã
André Paixão/G1
Os próximos dois anos devem ser essenciais para a estratégia de renovação no Brasil do principal produto da Toyota. Até o final de 2020, a marca terminará de realizar a modernização de R$ 1 bilhão da fábrica de Indaiatuba (SP), onde é produzido o Corolla.
Além de se tornar mais eficiente e produtiva, a unidade deve ser a responsável por estrear a fabricação de veículos híbridos da empresa no país. “A fábrica ficará pronta para receber novas tecnologias”, disse o presidente da Toyota do Brasil, Rafael Chang, ao G1, no Salão do Automóvel de São Paulo.
O término da obra, em meados de 2020, coincide com a previsão de chegada da nova geração do Corolla. O sedã passará por uma das maiores revoluções em mais de 5 décadas de vida. Isso inclui a adoção da plataforma TNGA, já usada pelo Prius.
Corolla híbrido e flex
Uma das consequências é a possibilidade de ter motorizações híbridas, como já acontece com as versões hatch e perua, já à venda na Europa.
Por aqui, a empresa ainda não confirma que o sedã será híbrido, mas o riso sem palavras do executivo não esconde que o caminho do Corolla é esse.
Além de aliar o motor a combustão ao elétrico, o Corolla deve ser o primeiro veículo da empresa com a tecnologia híbrida e flex. A Toyota já desenvolve o sistema, usando o Prius como “cobaia”.
Toyota Prius híbrido começa testes no Brasil
Rafael Miotto/G1
“Posso dizer que 75% dos testes estão concluídos”, afirmou Chang. Depois disso, vem a fase de homologação, que leva cerca de 6 meses.
Ou seja, além da fábrica, a Toyota terá o produto e a tecnologia já prontos para o mercado brasileiro.
Além disso, é público que a partir de 2025 todos os modelos da marca terão ao menos versão híbrida. Segundo o presidente da marca, até mesmo produtos mais baratos, como Etios e Yaris, devem receber conjuntos com motores elétricos.
Outros híbridos
Toyota Camry híbrido
Divulgação
Antes de 2025 devem chegar outros híbridos no Brasil. Também sem confirmar uma data, o executivo da marca disse haver estudos para trazer RAV4 e Camry com a tecnologia verde. Os modelos já foram apresentados em outros mercados.
Agora, com a redução de impostos de híbridos e elétricos, a vinda dos modelos foi facilitada.
Corolla ‘descolado’
Novo Corolla hatch antecipa futuro sedã da Toyota
Voltando ao Corolla, Chang afirmou que ainda não foi tomada a decisão sobre “qual” será o modelo da próxima geração. Isso porque, tradicionalmente, o Corolla tem versões diferentes no americano e no europeu. Normalmente, o Brasil acompanha o veículo da Europa.
No entanto, uma coisa é certa. O Corolla perderá o jeito conservador que sempre foi sua marca. Ele deve seguir traços das versões hatch e perua, apresentadas há pouco na Europa.
Initial plugin text

Referência

Preços do petróleo caem e barril nos EUA tem a mais longa série de quedas desde 1984


Mercado foi impactado por aumento da oferta global e temores de que o crescimento da demanda possa desacelerar. Os preços do petróleo caíram quase 1% nesta sexta-feira (9), pressionados pelo aumento da oferta global e com temores de investidores de que o crescimento da demanda possa desacelerar, com a referência do petróleo dos Estados Unidos registrando sua mais longa série de quedas diárias desde 1984.
Os futuros do petróleo Brent recuaram US$ 0,47, ou 0,7%, para US$ 70,18 por barril, fechando a semana com queda de 3,6%.
A referência global foi negociada abaixo dos US$ 70 pela primeira vez desde o começo de abril e já recuou 20% desde que atingiu máximas em quatro anos no começo de outubro.
Os futuros do petróleo dos EUA (WTI) perderam US$ 0,48, ou 0,8%, a US$ 60,19 o barril, depois de tocar US$ 59,26, sua mínima em oito meses.
O WTI caiu pelo 10º dia consecutivo, sua mais longa série de quedas diárias desde julho de 1984, de acordo com dados do Refinitiv. A referência perdeu 22 por cento desde o pico em outubro, colocando-a em território de “mercado baixista”.
“Que diferença faz um mês”, disse Michael Tran, estrategista de commodities na RBC Capital Markets.
Funcionário trabalha em campo de petróleo
Sergei Karpukhin/Reuters

Referência

Preço médio da gasolina nas bombas sobe quase 10% no 1º semestre


Valor médio do diesel e do etanol para o consumidor final também caiu, enquanto o preço do gás de cozinha terminou a semana em alta. O preço a gasolina nas bombas caiu nesta semana, apontam dados divulgados nesta sexta-feira (9) pela Agência Nacional do Petróleo, do Gás Natural e dos Biocombustíveis (ANP). Segundo o levantamento semanal de preços, o valor médio para o consumidor final foi de R$ 4,709 para R$ 4,658 – o que representa um recuo de 1,08%.
Os valores representam uma média calculada pela ANP a partir da coleta de dados em cerca de 500 localidades. Os preços, portanto, podem variar de acordo com a cidade.
Bomba de gasolina em posto da zona sul de São Paulo
Marcelo Brandt/G1
Na mesma semana, o valor da gasolina das refinarias também recuou. Com os reajustes da Petrobras, o valore vigentes entre domingo (4) e sábado (10) foi de R$ 1,8466 para R$ 1,6734 – uma queda de 9,38%.
As alterações fazem parte da política de preços da Petrobras, adotada em 2017, que tem como objetivo acompanhar as cotações internacionais. Para definir os preços, a empresa observa fatores como o câmbio e o valor do barri de petróleo no mercado externo.
Petrobras anuncia 5ª redução seguida na semana no preço da gasolina nas refinarias
Nesta semana, o dólar subiu 1% em relação ao real, segundo dados do ValorPro. Já o preço do barril do Brent, referência internacional, caiu e chegou a ficar abaixo de US$ 70 – o que não acontecia desde abril.
O repasse dos reajustes da Petrobras nas refinarias para as bombas final depende dos distribuidores – ou seja, fica a cargo dos postos repassar ou não a baixa do preço da gasolina ao consumidor final.
Em 2018, o valor médio da gasolina nas bombas acumula alta de 13,63%. A variação é maior que a inflação esperada para o ano todo, de 4,4% segundo o relatório Focus, do Banco Central.
Diesel, etanol e gás de cozinha
A ANP também divulgou o preço médio do diesel na semana, que passou de R$ 3,719 para R$ 3,685, o equivalente a queda de 0,9%. Nas refinarias, o valor permaneceu congelado em R$ 2,1228.
No ano, o preço do diesel nas bombas acumula alta de 10,8%, considerando o valor médio informado pela ANP – ou seja, também superior à inflação esperada para 2018.
O valor do etanol também caiu na semana, com o preço médio por litro passando de R$ 2,975 para R$ 2,951. Isso representa um recuo de 0,8%. Em 2018, o preço do etanol acumula alta de 1,34%.
Já o preço médio do botijão de gás de cozinha subiu 0,38%, de R$ 68,33 para 68,59. No ano, a alta acumulada é de 1,75%.

Referência

VÍDEO: G1 passeia pelo Salão do Automóvel e mostra Ferrari de R$ 3,7 milhões e mais destaques

Giro tem ainda carro que homenageia Senna, elétricos ‘populares’ e os conceitos que mostram os próximos passos de Volkswagen e Fiat. G1 passeia pelo Salão do Automóvel de São Paulo 2018 e mostra destaques
O Salão do Automóvel de São Paulo segue até o próximo dia 18 com as novidades de 29 marcas de carros. O G1 deu um giro pelo evento, mostrando os destaques da feira.
A lista vai de Ferrari de R$ 3,7 milhões e do carro que homenageia Ayrton Senna aos elétricos que serão vendidos no Brasil e os conceitos que mostram os próximos passos de Volkswagen e Fiat. Curioso? Passeie pelo Salão no vídeo acima.
Initial plugin text

Referência

Como Mark Zuckerberg usa sua própria conta no Facebook


O fundador da plataforma costuma compartilhar mais coisas relativas aos trabalho, mas às vezes também divide momentos pessoais com seus seguidores Presidente do Facebook é reservado e bastante pontual em suas redes sociais.
Getty images
Mark Zuckerberg, o criador do Facebook, quer que o comunicador Messenger seja um dos principais produtos de sua rede social. No entanto, ele não o usa.
Antes ele o fazia, mas, em abril deste ano, pouco depois do escândalo envolvendo o vazamento de dados envolvendo a empresa Cambridge Analytica, ele fez suas conversas com todos os seus interlocutores desaparecerem sem deixar rastro (algo impossível para um usuário normal).
Zuckerberg também não costuma publicar stories — posts que desaparecerem em 24 horas —, outra grande aposta deste ano da rede social.
O empresário americano disse que as pessoas tendem a compartilhar cada vez mais “no privado”.
Ele mesmo é bastante reservado com sua conta na plataforma.
Seu perfil não permite que estranhos lhe enviem solicitação de amizade nem acessem sua lista de amigos. É possível ver seu número de seguidores — cerca de 120 milhões — e sua conta no Instagram — @zuck —, em que acumula cinco milhões de fãs.
Vida pessoal
Zuckerberg diz em sua biografia onde vive (em Palo Alto, na Califórnia, EUA) e em que trabalha — é fundador e CEO do Facebook e trabalha na Iniciativa Chan Zuckerberg, fundação que criou com sua mulher, Priscilla Chan.
O fundador do Facebook usa a plataforma para divulgar comunicados oficiais da empresa e, de vez em quando, mostrar algo de sua vida pessoal.
Às vezes compartilha fotos com a família, viagens ou eventos pessoais, mas poucas vezes diz onde está ou informa quais são seus próximos destinos.
Um dos posts públicos mais recentes é essa foto de sua família comemorando o feriado americano Halloween:
Initial plugin text
Zuckerberg permite que qualquer pessoa comente em suas fotos e até responde a críticas mais leves. Mas não é possível publicar em seu mural.
Na foto sobre o Halloween, alguém comenta: “Como pode você ser bilionário e ter fantasiasas tão toscas?”.
Ao que ele responde: “As fantasias desse ano foram menos criativas. Mas as crianças ficaram bem fofas. Até a fantasia de bruxa da Priscilla ficou boa. Só a minha de esqueleto que ficou meio básica.”
Em 15 de outubro ele escreveu: “Hoje descobri que minha filha acha que eu trabalho em uma livraria”.
Alguém critica sarcasticamente: “Que fofa! Não esquece de contar para ela que, na verdade, você permitiu que os russos enfraquecessem nossa democracia.” Para esse comentário não há resposta.
Initial plugin text
Ele também publicou essa foto de sua filha, Max, com uma camiseta da fundação que ele criou com sua mulher:
Initial plugin text
E uma foto com um gatinho:
Initial plugin text
Neste vídeo, ele toca um xofar, um instrumento musical fabricado com chifre de carneiro, na noite de ano novo judaico: “Shaná Tová e feliz Ano-Novo”, diz ele:
Initial plugin text
Nascido em uma cidade no interior do Estado de Nova York, Zuckerberg tem origem judaica e foi criado nessa religião — já adulto, disse que não seguia mais a fé dos pais e chegou a se declarar ateu. Hoje, afirma acreditar que a “religião é algo muito importante”.
Suas publicaçõs sobre judaismo são bastante escassas.
A parte empresarial
Zuckerberg usa seu perfil bem mais para informar sobre novidades e projetos do Facebook, destacar sucessos da rede social e informar sobre eventos.
A página funciona como uma plataforma para divulgar sua marca pessoal com um toque informal – e é bastante ativa.
Às vezes, ele também expressa sua opinião sobre um assunto em particular, como o terrmoto que atingiu a Indonésia em outubro:
Initial plugin text
E o vazamento de dados que a rede social sofreu novamente em setembro:
Initial plugin text
Uma viagem ao passado
Em sua página também há alguma fotos antigas, de 2005, quando estava começando seu novo projeto digital, que anos mais tarde se tornaria uma sucesso mundial.
Seu primeiro álbum é de novembro de 2005. É de um evento da revista americana BusinessWeek e tem algumas fotos borradas do empresário com seu laptop e uma em que aparece com sua mulher, Priscilla, que então ainda era sua namorada.
Assim como diversas pessoas conhecidas, Zuckerberg tem um perfil verificado – com uma insígnia azul que confirma que sua conta é oficial.
A foto mais antiga? Uma de 2002 compartilhada em álbum de 2006 com uma série de retratos que havia feito para jornais e revistas americanos:
Initial plugin text
As publicações que mais costumam despertar interesse de seus seguidores são suas resoluções de Ano-Novo, que ele publica todos os anos.
Ele já prometeu aprender mandarim, correr 587 km em um ano, criar um assistente virtual, visitar todos os Estados americanos e, o mais recente, consertar os problemas em que o Facebook se enolveu recentemente.
“O mundo está ansioso e dividido, e o Facebook tem muito trabalho a fazer – quer seja proteger nossa comunidade de abuso e ódio, se defender contra interferências de outros países ou garantir que o tempo que as pessoas passam no Facebook seja bem aproveitado”, escreveu ele em janeiro. “Meu desafio pessoal para 2018 é focar em arrumar essas questões importantes.”

Referência

1632

A partir de hoje, pessoas físicas ou jurídicas terão 30 dias para encaminhar as manifestações de interesse a serem avaliadas

O Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil publicou, nesta sexta-feira (9/11), no Diário Oficial da União, portaria que abre prazo para que interessados manifestem interesse na doação de estudos de viabilidade técnica para estruturação de projeto de parceria para concessão da BR-163/230/MT/PA, no trecho entre Sinop/MT e Miritituba/PA.

1632Foto: DNIT

>>Acesse a PORTARIA Nº 529, DE 8 DE NOVEMBRO DE 2018

Além disso, através da portaria, o ministério manifesta interesse no recebimento de estudos, na forma de doação, das empresas Hidrovias do Brasil S.A. e Estação da Luz Participações Ltda. O objetivo da portaria é dar maior transparência e participação ao processo. A partir de hoje, pessoas físicas ou jurídicas terão o prazo de 30 dias para encaminhar as manifestações de interesse que, posteriormente, serão avaliadas pelo MTPA.

O interessado deverá observar o Termo de Referência, que estabelece as diretrizes e premissas para elaboração dos estudos, os critérios de avaliação e seleção, e a Portaria MTPA nº 961, de 24 de novembro de 2017, que estabelece procedimentos relativos à estruturação de projetos de parceria a serem observados.

Para ser selecionado, o estudo deverá apresentar a melhor solução para dirimir o problema do sistema rodoviário objeto deste procedimento, atendendo às expectativas da administração pública.

Por se tratar de doação, este procedimento não gerará ônus para o ministério ou para a futura concessão.

Os interessados em participar devem protocolar suas propostas no Ministério. O Protocolo fica na sala 29, no térreo do edifício sede do Ministério. O telefone é 2029-7504.

Assessoria de Comunicação
Ministério dos Transportes, Portos e Aviação

Referência

Petrobras anuncia 5ª redução seguida na semana no preço da gasolina nas refinarias


No acumulado no mês de novembro, redução chega a 10%. Preço para distribuidores cairá 1,32% a partir deste sábado, para R$ 1,6734 o litro, o menor valor desde 10 de abril. Refinaria Presidente Bernardes (RPBC), da Petrobras, em Cubatão, SP
José Claudio Pimentel/G1
A Petrobras reduzirá o preço médio da gasolina nas refinarias em 1,32% a partir deste sábado (10). Com a alteração, o valor médio do combustível cairá de R$ 1,6958 para R$ 1,6734 o litro, o menor valor desde 10 de abril (R$ 1,6444).
Trata-se do 5º corte seguido na semana. No acumulado no mês de novembro, a redução do preço nas refinarias chega a 10%.
A redução acontece em meio a queda nos preços do petróleo nos mercados internacionais. Nesta sexta, o barril do Brent caiu abaixo dos US$ 70 pela primeira vez desde abril.
O repasse dos reajustes da Petrobras aos consumidores, entretanto, depende de distribuidores, revendedores, impostos, além da mistura obrigatória de etanol anidro na composição da gasolina vendida nos postos.
Em 30 dias, a redução do preço da gasolina nas refinarias chega a 23,5%, mas o corte ainda não foi sentido pelos motoristas nos postos de combustível do país, segundo pesquisa semanal feita pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).
Na semana passada, o preço médio da gasolina nos postos ficou em R$ 4,709 por litro, segundo a ANP, 0,3% abaixo do observado na semana passada ante a semana anterior, permanecendo praticamente estável desde o começo de outubro.
Os donos de postos argumentam que a significativa diferença entre o preço cobrado nas refinarias e nas bombas se deve aos custos de custos de distribuição, impostos elevados e margem de lucro dos postos. Veja vídeo abaixo
Venda de gasolina cai ao nível mais baixo dos últimos seis anos, segundo a ANP
O preço médio do diesel, por sua vez, segue em R$ 2,1228, sustentado pelo programa de subsídios, lançado pelo governo em junho em resposta à histórica greve de caminhoneiros contra o alto preço do combustível.
A Petrobras adota novo formato na política de ajuste de preços de combustíveis desde 3 de julho do ano passado. Pela nova metodologia, os reajustes acontecem com maior periodicidade, inclusive diariamente, refletindo principalmente os preços internacionais e o câmbio.
Como é formado o preço da gasolina?
Os valores praticados pela Petrobras são aproximadamente um terço do preço pago pelo consumidor nos postos.
Cerca de 44% são tributos, sendo 29% ICMS, recolhido pelos Estados, e 15% Cide e PIS/Cofins, de competência da União, conforme os cálculos da Petrobras, que levam em conta a coleta de preços entre os dias 28 de outubro e 3 de novembro em 13 regiões metropolitanas do país.
Os tributos federais são cobrados como um valor fixo por litro – o de Pis/Cofins, por exemplo, é de R$ 0,7925 por litro de gasolina; a Cide, de R$ 0,10 por litro. O ICMS, por sua vez, é um percentual sobre o preço de venda – ou seja, cada vez que ele sobe, os Estados recolhem mais impostos.
Do restante da composição do preço final, 12% é o custo do etanol, que, por lei, deve compor 27% da gasolina comum, e outros 14% corresponde aos custos e lucro dos distribuidores e postos de gasolina. Em maio, esta última fatia era de 12%, o que sugere um aumento nas margens de lucro destes agentes.
Composição do preço da gasolina, segundo levantamento da Petrobras, a partir de dados da ANP e CEPEA/USP
Reprodução/Petrobras

Referência

Maia defende que Câmara vote projetos da agenda econômica

A companhia, que opera bolsa de valores, mercado de balcão e mercado de derivativos, anunciou lucro líquido de de R$ 465,4 milhões no terceiro trimestre. A B3 teve crescimento robusto do lucro do terceiro trimestre, na esteira da expansão de dos dígitos nas receitas de suas principais linhas de negócios em um período de grande volatilidade do mercado financeiro no país.
A companhia, que opera bolsa de valores, mercado de balcão e mercado de derivativos, anunciou nesta quinta-feira (8) que seu lucro líquido de julho a setembro cresceu 38,4% ante mesma etapa de 2017, para R$ 465,4 milhões. Em bases recorrentes, o lucro subiu 37,8 por cento, a 613,4 milhões.
O resultado foi divulgado pouco antes da B3 anunciar que assinou proposta vinculante para comprar 75% da BLK Sistemas Financeiros, especializada em telas e algoritmos de negociação para corretoras e investidores institucionais. A empresa não informou o valor da operação.
A receita líquida da B3 no terceiro trimestre somou de R$ 1,15 bilhão, alta de 9% contra um ano antes, apoiada na expansão de 15,1% do segmento BM&F, de 12,3% no de Bovespa, de 12,8% no de Cetip UTVM e de 29,2% no de gravames de veículos.
“O desempenho dos mercados em que atuamos foi diretamente impactado pela volatilidade”, disse no relatório o vice-presidente financeiro e de relações com investidores da B3, Daniel Sonder.
O período foi marcado por altos e baixos nos mercados de ações e de derivativos, na esteira da eleição para Presidência da República, com crescentes volumes de negócios.
Também na comparação ano a ano, as despesas da empresa subiram 8,2%, para R$ 642 milhões. Na base ajustada, o aumento foi de 9,5%.
A B3 manteve os orçamentos e projeções para 2018 e 2019.

Referência