Larry Page deixa posto de presidente-executivo da Alphabet, dona do Google

Larry Page deixa posto de presidente-executivo da Alphabet, dona do Google

Larry Page deixa posto de presidente-executivo da Alphabet, dona do Google


Cofundador da gigante de tecnologia entregará cargo a Sundar Pichai, que já comanda o Google. Outro fundador, Sergey Brin, deixará a presidência do grupo. Larry Page fundou o Google em 1998 com Sergey Brin
Paul Sakuma/AP
Larry Page, presidente-executivo (CEO) da Alphabet, dona do Google, anunciou nesta terça-feira (3) que deixará o posto. Em seu lugar vai assumir Sundar Pichai, que comanda o Google desde 2015. Os dois cargos serão transformados em um só.
Page, cofundador do Google, anunciou a decisão em uma carta no blog da empresa. Ela também é assinada pelo outro fundador da companhia, Sergey Brin, que deixará a presidência da Alphabet.
“Alphabet e Google não precisam mais de dois CEOs e um presidente”, escreveram Page e Brin, comparando as empresas a um “jovem adulto de 21 anos” que já pode sair do ninho.
Apesar de deixarem o comando do grupo, os fundadores dizem que vão continuar se comportando como “pais”.
“Foi um tremendo privilégio estar envolvido profundamente na gestão do dia a dia da empresa oir tanto tempo. Acreditamos que é hora de assumir o papel de pais orgulhosos, oferecendo conselhos e amor, mas sem cobranças diárias”, diz a carta.
O que é a Alphabet
Page e Brin fundaram o Google em 1998. A Alphabet foi criada em 2015, quando a gigante de tecnologia passou por uma profunda reformulação.
A Alphabet é o “guarda-chuva” debaixo do qual estão as várias empresas do grupo, incluindo o Google Inc, responsável pelo buscador, o YouTube, o Chrome, o Android e o Gmail, entre outros serviços, e outras vertentes de atuação, como os carros autônomos, responsabilidade da Waymo.
Sundar Pichai, CEO do Google, e agora também da Alphabet
Justin Sullivan / GETTY IMAGES NORTH AMERICA / AFP
Relembre a história do Google, em vídeo de 2018 do Estúdio i:
Google completa 20 anos como uma das empresas mais poderosas do mundo

Referência